quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Jean Morgan



Na hora da inscrição, surpreendeu-se de não ter dado conta do problema elementar, mas acabou achando graça. Família tradicional, vinda da Gávea para o Engenho Velho em longínquas primaveras, sobrenome composto, de muitos costados, o jeito era arrumar um pseudônimo. Essa coisa de cantar no rádio, afinal, não podia ser coisa de moça de família. Lascou, então, premida pela ocasião, uma mistura de nomes americanizados que acabara de ler numa revista de cinema; porque afinal essa era a nova moda naqueles anos 40 povoados da propaganda estético-ideológica do Tio Sam. Assim nasceu Jean Morgan. Sem grandes pretensões, diga-se de passagem.

E não é que a moça era afinada? E não é que tinha lá uma graça de flor da idade, levemente apimentada pela inusitada quase-travessura de meter-se a cantar, de repente, num concurso de calouros, sem o consentimento dos pais? Mas o que embasbacava todos, mesmo o conhecido apresentador ranzinza, era a elegância. Ah, a elegância...

E de etapa em etapa, assim como não quer nada, foi avançando. Quando voltava para casa de pretensos footings na Rua Uruguaiana, no cair da tarde, Mathilde encontrava a família em alvoroço. A irmã logo se apressava em pô-la a par de mais uma grande apresentação de Jean Morgan, a favorita da família! “Papai era o mais empolgado!” Mas o velho, claro, fazia que não era com ele. Em comum, o grande estranhamento com o fato da jovem, de hábito tão encantada pelas coisas da música e do rádio, quedar-se tão alheada do concurso que era “o assunto” de todas as rodas. Disfarçava, às vezes: “ouvi o rádio ligado na casa Sloper...”.

E, como era de se esperar, chegou a grande final. A família, dedicada na torcida, achou muitíssimo injusta a primeira colocação do insosso doublé de Bing Crosby, que não podia fugir da alcunha de sotaque yankee: Dick Farney. A indignação foi até capaz de arrancar de Seu Eugênio, o patriarca, o único comentário em semanas de certame: “Essa gente de rádio não vale mesmo nada! Com certeza, tudo já arranjado!”

Mathilde estava feliz, no bonde que a trazia da rádio, na Cidade, para a Tijuca. Tudo era festa, então! A cabeça levemente recostada na balaustrada, devaneou nas asas de seus auspícios juvenis. Jean Morgan estava feita, carreira engatilhada. Os convites não tardariam! A carreira no disco seguiria a trilha inevitável de sendas bem calçadas no bom gosto do repertório, na sensibilidade para o apetite da época, e na sólida formação que carregava do lar quatrocentão. Que agora lhe sorria para, senão o sucesso retumbante, o pleno reconhecimento de um público distinto e fiel!

E assim seria, durante muitos anos na atividade que lhe encheria o peito de suaves satisfações e de uma alegria perene. Mas o solavanco do bonde lhe podou, inapelavelmente, a verve! A Tijuca, enfim... Em casa, o remédio agora era contar. Ninguém, mesmo, achou muita graça na burleta; com o máximo da boa-vontade, uma admiração-pontinha-de-inveja da irmã. Os footings proibidos, a vigilância redobrada, que se dedicasse à tarefa elementar de se casar. Como tinha que ser.

Mas, quem viu, dá testemunho da propalada elegância. Ah, a elegância...


[para Maria, Isaac, Fernando, Cristiano e Eduardo, com funda saudade, em homenagem à flor mais perfumada - e elegante! - de todo o Engenho Velho]

7 comentários:

  1. Querido, querido, querido... que saudade da vovó... Amo você, meu velho. Com a autoridade de irmão que eu tenho (mais velho ainda que obediente a você), digo sem medo do erro. Dona Mathilde, no Orum, está bem contente com essa homenagem prestada pelo neto barbudo, de São Paulo.

    ResponderExcluir
  2. Caríssimo, a esta altura Jean Morgan está cantando no "Nosso Lar " para todos os Monteiro de Barros e para uma platéia ainda maior do que aquele tempo no rádio , e mais, totalmente a descoberta !!

    ResponderExcluir
  3. Querido, obrigado pela homenagem a minha avó amada. Entretanto, ela tinha mais um neto, eu, Cristiano. Já morrendo de saudades dela.

    ResponderExcluir
  4. Linda história!
    Aguarde a presença de mais essa seguidora!
    Abraços poéticos.

    PS: Caso queira visitar o meu blog de literatura, "O livro está na mesa", o link é: www.olivroestanamesa.blogspot.com

    Essa história me lembrou um episódio de opressão ainda mais antigo, que aparece na postagem:
    http://olivroestanamesa.blogspot.com/2010/12/uma-historia-mal-contada.html

    ResponderExcluir
  5. Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Um abraço e fique com DEUS.

    http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

    ResponderExcluir