quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Naquela mesa


Recebo na minha caixa postal o anúncio do espetáculo que promete: “Almir Guineto e Dorina no Teatro Rival – dias 27 a 29 de agosto”...

Acometeu-me, como não podia deixar de ser, a vontade de passar a mão no telefone e bater pro Julio Vellozo e instigar: “ vamos tomar o último de quinta para sexta? A gente amanhece lá, dia 29, e fica vagabundeando até a hora do show...”

Mas aí lembrei, incontinenti, mano Julio, que mesmo que os descompromissos sejam, num átimo, novamente possíveis; que o tempo esteja chuvoso e convide para um dia inteirinho no bar e o velho butiquim ressuscite com seus pastéis de camarão, seus chopes mal tirados e sua batida de gengibre; ainda que, por interferência de alguma força sobrenatural, a Ana Simas reapareça nas nossas vidas e nos visite docemente antes do colapso etílico; pensando possível que Almir junte de novo à sua volta malandros e sambistas de todas as estirpes a reverenciá-lo; que reunamos uma vez mais uma mesa com Luis Grande, Barebeirinho, Ary do Cavaco, Pecê Ribeiro e Marquinhos Diniz, que sejam consumidos litros de batida do buteco ao lado e infinitas rodadas de chope, e mesmo que apareça o Delcio Carvalho e a querida Eugenia pra nos visitar; mesmo que percamos o show, de bêbados demais e de felizes demais, embalados pelo espetáculo maior da vida, e ainda assim o teu nome vá parar na capa do disco... Não valerá a pena.

Não valerá a pena, ó Julio, meu irmão querido. Porque naquela mesa estará, como no samba famoso, “faltando ele”. Porque não haverá uma conversa boa e uma bebedeira gigantesca. Porque não haverá ninguém para nos acompanhar à Rodoviária, à meia-noite. Porque nenhuma mágica e nenhuma imaginação poderão aplacar a saudade dele, que está doendo em mim. Cada dia mais. Demais.

10 comentários:

  1. Toledianamente lindo, querido. Como de costume.

    Beijo.

    ps: e por falar em saudade...

    ResponderExcluir
  2. Acaba de me ocorrer que pode não ser dele que estejas a falar. O que apenas deixará mais clara do que nunca minha ignorância. O que prova que eu deveria pisar aqui, devagar, com respeito, e calado. Sempre calado.

    ResponderExcluir
  3. Ô Fernando, olha eu aqui.

    Bom, já mandei o autografo para o Edu, como você viu, valeu mesmo.

    Belo texto, belo texto.

    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Edu, querido. Eu também pensei Nele.

    ResponderExcluir
  5. Rodrigo: poucas pessoas no mundo conhecem o Szegeri como eu - talvez (eu disse talvez) a dona Cecília, e mesmo assim tenho minhas desconfianças.

    Ele ficará, sim, feliz com sua presença aqui e com seu aceno virtual - "Ô Fernando, olha eu aqui". Ele tem olhos de ver e verá seus braços balançando como os braços dos bonecos infláveis dos postos de gasolina.

    Ele já viu, é claro, o autógrafo que publiquei no BUTECO - e ficou feliz, também, por isso.

    Mas ele é um homem que cria expectativas.

    E ele espera - garanto a você -, impaciente, pela fotografia do autógrafo emoldurado. Assim como espera o convite para a inauguração do quadro na parede de sua casa.

    Será um dia - tome nota, tome nota! - pra entrar pra história pessoal da vida de vocês.

    Forte abraço.

    ps: Brunão... ?????

    ResponderExcluir
  6. Naquela mesa tá faltando ele, e a saudade dele tá doendo em mim...

    É meu caro Szegeri, é duro. Não se recolha com a dor, leve-a para o bar mais próximo e tente convencê-la a te dar um sossego.

    beijo

    ResponderExcluir
  7. Szegeri, fica de olho porque a Velha Guarda do Império Serrano estará em SP no próximo fim-de-semana. Abraço!

    ResponderExcluir
  8. Julio Vellozo3/9/08 15:59

    Foi mesmo um grande dia, desses que a gente não vai esquecer nunca.
    E o impressionante é que quando recebi a notícia terrível, chocante, a primeira imagem que me veio a cabeça foi a daquele dia, daquela conversa. E todas as vezes que me lembro dele lembro-me deste dia, de como pediu pra que ficássemos, de como falou da gente pra o Claudio Jorge, de como nos acompanhou até o Taxi, de como achou inacreditável o tempo que ficamos a beber.
    Um dia inacreditavemente bom, divertido, emocionante e, por causa dele, irrepetível em sua magia.

    ResponderExcluir
  9. Além do que, o bar do lado tambem não existe mais, ja faz um tempo.
    Agora o "bar da vez" da Alvaro Alvim, é um anexo do proprio Rival, que em nada se compara ao velho Carlitos e suas batidas geniais

    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Saudades Fernando!
    Beijocas
    Ana Simas

    ResponderExcluir