terça-feira, 24 de junho de 2008







Chegou a hora da fogueira

Lamartine Babo


Chegou a hora da fogueira
É noite de São João
O céu fica todo iluminado
Fica o céu todo estrelado
Pintadinho de balão
Pensando no caboclo a noite inteira
Também fica uma fogueira
Dentro do meu coração

Quando eu era pequenino
De pé no chão
Eu cortava papel fino
Pra fazer balão
E o balão ia subindo
Para o azul da imensidão

Hoje em dia o meu destino
Não vive em paz
O balão de papel fino
Já não sobe mais
O balão da ilusão
Levou pedra e foi ao chão

9 comentários:

  1. É dia de São João, mano querido, mas é seu dia também. É dia também da minha sereia, e eu e minha amada, a mulher que me ensinou a sorrir, estamos hoje em SP, a nosso modo, de nosso jeito, com a cabeça recostada no seu peito, esse peito imenso onde cabem as dores do mundo e todas as dores dos teus, como as de saudade, querido, que doem demais. Todo nosso amor,

    Edu & Dani

    ResponderExcluir
  2. zé sergio27/6/08 15:19

    Parabéns! Anarriê!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns, meu irmão. Tamos aí pro que der e vier!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. .... a tolerância zero está aí.....
    continue bebendo bastante....!!!!!!! ...continue dando mal exemplo aos seus leitores....!!!!!
    a FISCALIZAÇÃO está nas ruas.....BOA SORTE!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. zé sergio29/6/08 12:39

    Tolerância zero com a língua pátria! "MAL" exemplo quem dá é tu, ô Anônimo de merda! Vai fiscalizar a casa do caralho!

    ResponderExcluir
  6. Anônimo de merda:

    continue com vossa depressão e amargue vossa solidão imunda...

    ResponderExcluir
  7. Anônimo chifrudo: Vá fiscalizar a buceta da tua senhora, rapaz...

    ResponderExcluir
  8. bota a cara ai anônimo de merda. É fácil falar merda e não se identificar, porque não coloca seu nome? Seu bosta!

    ResponderExcluir
  9. Anônimo4/7/08 23:13

    Pra São João Decidir

    Ah que alegria
    Levantei de madrugada
    Por que a noite passada
    Eu não consegui dormir

    Rosinha disse que ia por num papelzinho
    O meu nome e o do vizinho
    Pra São João decidir

    O que ficasse de manhã mais orvalhado
    Ia ser seu namorado
    Ia com ela casar

    E eu tinha tanta confiança
    Neste santo
    Que apostei um conto e tanto
    Que era eu que ia ganhar

    Sabem o que foi que eu vi quando rompeu o dia?
    Vi foguete que expodia
    Buscapé, lança rojão
    Era o vizinho que já tinha triunfado
    Festejando entusiasmado
    O dia de São João

    Então de noite
    Foi mais grossa a brincadeira
    Acendeu-se uma fogueira
    Todo mundo foi pular

    Só eu chorando a traição
    Daquele santo
    Soluçava no meu canto
    Vendo a lenha se queimar

    Lupicínio Rodrigues

    Joao

    ResponderExcluir